terça-feira

Teoria Integral (Ken Wilber) - Parte III (LINHAS)

Qual o teu maior ponto forte? Qual a tua maior fraqueza? Porque será que somos todos tão diferentes uns dos outros?


Todos temos diferentes potencialidades e todos podemos melhorar nas coisas em que não somos brilhantes. É sobre esses pontos que vamos entrar agora dentro da teoria Integral, concretamente na abordagem das LINHAS e dos NÍVEIS, sendo que neste post apenas entraremos no primeiro.


Antes de avançarmos creio ser importante dizer que há relação entre LINHAS e NÍVEIS, pois as LINHAS são os campos onde aos NÍVEIS se desenvolvem.

LINHAS
As linhas emergem historicamente de trabalhos de autores como James Mark Baldwin (identificou 3 linhas), Anna Freud (identificou 6 linhas) e Howard Gardner (7 linhas). O trabalho deste último pode ser usado como uma boa metáfora para perceber as diferentes linhas, pois o autor ficou conhecido pelo conceito de multi-inteligências, que definem cada pessoa e que permitem que não existam 2 seres humanos iguais. Segundo o autor todos temos 7 diferentes inteligências (LINHAS), desenvolvidas em diferentes NÍVEIS (mais ou menos desenvolvidas):
- lógico-matemática
- visuo-espacial
- linguística
- intrapessoal
- interpessoal
- musical
- cinestésica


No modelo AQAL as linhas vão além destas 7 inteligências. Dizem respeito a tudo o que possa ser alvo de crescimento. Para além disso elas também tetra emergem, apesar de a partir daqui irmos apenas abordar mais o que acontece apenas no quadrante UL, respeitante ao Interior Individual (ver post anterior). Alguns exemplos de linhas por quadrante:
 
LINHAS NO QUADRANTE UL
Questões para reflexão:
- o que é que agora vem à tua consciência?
- quem és?
- o que para ti é importante?
- como te deves relacionar com outros?
- como te sentes?
- o que te atrai?


Todas estas questões dizem respeito a exemplos de diferentes linhas (concretamente: cognitiva, auto-identidade, valores, interpessoal, emocional e estético).


Segundo o modelo as linhas deste quadrante podem-se agrupar em 3 grandes grupos:
- COGNITIVAS (ex. capacidade para ver/registar um fenómeno)
- RELACIONADAS COM O SELF (ex. auto-identidade, moralidade)
- TALENTOS (ex. estético, linguístico, musical)


Entre estes 3 grupos existem linhas que são muito específicas e relativamente independentes (ex. musical) e outras que se interrelacionam (ex. fisiológico -> cognitivo -> self -> interpessoal -> moral).


PSICOGRÁFICO INTEGRAL
Um conceito útil em termos práticos é o de Psicográfico Integral. Muito utilizado em processos de coaching, por exemplo, um psicográfico integral pode ser interessante analisarmos o grau de desenvolvimento das diferentes linhas numa pessoa. Essa análise poderá ajudar-nos a perceber a diferença, por exemplo, entre o "walk" e o "talk". Permite-nos também conhecermo-nos melhor a nós próprios, assim como aos outros, aumentando dessa forma a probabilidade de nos entendermos melhor.


Usando uma escala muito simples (ver abaixo) e apenas 4 linhas para tornar fácil a análise, vamos comparar 2 pessoas (ver gráfico):
- 4: MUITO ALTO (exemplar capacidade, talentosa)
- 3: ALTO (possibilidade de grande talento)
- 2: MÉDIO (funcional)
- 1: BAIXO (disfuncional)

Podemos ver que a pessoa 1 (azul) é altamente talentosa nas linhas MORAL e INTERPESSOAL e funcional nas outras duas. A pessoa 2 (vermelho) por seu lado é altamente talentosa nas linhas COGNITIVA e ESTÉTICA, tem algum potencial INTERPESSOAL (ex. consegue relacionar-se e influenciar outras) e é disfuncional na linha da MORALIDADE.


Qual destas pessoas poderia ser o DALAI LAMA e qual poderia ser HITLER?


RESUMO
  • LINHAS são então capacidades relativamente independentes que se desenvolvem em NÍVEIS, como veremos no post seguinte.
  • As linhas também tetra-emergem, pelo que todos os QUADRANTES têm linhas próprias.
  • Ao conhecermos as diferentes linhas que existem podemos mais facilmente identificar os nossos talentos e as áreas em que podemos melhorar.  Podemos também perceber melhor os outros e de que forma as suas linhas estão "equalizadas". 
  • Finalizamos com algumas das principais linhas (e exemplos de autores que as estudaram) respeitantes ao quadrante UL (interior individual):
    - Emocional (Daniel Goleman)
    - Cognitivo (Jean Piaget)
    - Necessidades (Abraham Maslow)
    - Moral (Carol Gilligan)
    - Interpessoal (Robert Perry)
    - Auto-identidade (Jane Loevinger)- Valores (Claire Graves)
    - Espiritual (James Fowler)
    - Estético (Abigail Housen)Podemos


No próximo post iremos então passar para os NÍVEIS, ou seja, o grau de desenvolvimento que acontece em cada LINHA.

8 comentários:

Aline Marques disse...

Parabéns Vasco, esse seu post saiu do "forno" rapidinho, e mais uma vez um otimo texto, adorável de ler! Mas o vermelho seria Hitler, não é?! Forte abraço. Aline Marques

Ana Savioli disse...

Incrível! Alguém resumindo Ken Wilber?? É meu dia de sorte... estou com O Projeto Atman e Uma Teoria de Tudo pra ler, mas ainda não consegui. Estes posts já estão me ajudando a me introduzir ao incrível universo lógico e bem resolvido de Ken Wilber. Muito obrigada!

Driii e Diii disse...

Oiiii ... tudo bem ???

Estou "devorando" seus posts sobre Ken Wilber (por causa de uma longa história e que, por uma sorte incrível, me fez encontrar seu blog) ... estou amando a forma como expôe conceitos complexos.
Com relação aos quadrantes, tudo faz muito sentido pra mim e consegui encaixá-los na minha vida, no entanto, não estou conseguindo fazer o mesmo com as linhas ....

Vasco Gaspar disse...

Olá!
Obrigado pelo comentário.
Percebo que a "coisa" comece a ficar complexa e que eu não tenha tido a capacidade de a simplificar o suficiente.
O quê, em concreto, não está a fazer sentido quanto às linhas?

Driii e Diii disse...

Então, Vasco, por exemplo assim: como eu poderia "medir" minhas linhas ??? Como faço essa auto-análise ??? Com base em que sei que um tipo de inteligência em mim é mais acentuado?? Desculpe mesmo a ignorância, mas quanto às linhas, ficou tudo muito abstrato ...
Estou pensando seriamente em comprar este livro, mas estou receosa de comprá-lo, e não entender o que ele quer dizer, ou seja, jogar dinheiro fora ...
Se, com seu texto super didático fiquei confusa, imagino como será lendo o próprio livro !!!

Vasco Gaspar disse...

:) Percebo o que diz. De facto sou eu que estou a ser confuso e a não conseguir simplificar a mensagem.

Sugiro ler este livro:
http://www.amazon.com/Integral-Life-Practice-21st-Century-Blueprint/dp/1590304675

Ou fazer o nível 01 deste curso:
https://www.coreintegral.com/programs/courses

Driii e Diii disse...

Ai, Vasco, obrigada mesmo pelas dicas, mas meu nível de inglês não é assim tão bom pra fazer um curso ou ler um livro neste idioma, rsrsrsrsrs.
Na verdade, encontrei este autor por conta de um curso (Prática da Vida Integral - talvez, até mesmo, a versão deste curso que me recomendou, só que em português, hehe) que vi num instituto de psicologia que frequento.
Este curso é semestral, então só poderei fazê-lo ano que vem (q o desse semestre já tinha começado). Imaginei que até lá, eu já pudesse, sozinha, dar uma sapiada nesta teoria fantástica !!!
Mas agradeço imensamente sua atenção ...
Com seus posts de resumo, deu para ter uma ideia muito boa ...
Inclusive, seu blog é ótimo !!!
Um super abraço.

Vasco Gaspar disse...

Obrigado!

Um super abraço e tudo de bom!
Vasco